domingo, 22 de maio de 2011

ABUSO SEXUAL INFANTIL - COMO AGIR

ABUSO SEXUAL INFANTIL


A cada dia que passa vemos mais e mais crianças dentro do meio cristão sendo abusadas, de inúmeras maneiras, entre elas o abuso sexual. Se os pais estivessem mais atentos e tivessem conhecimento de como falar com seus filhos, muitas destas situações poderiam ser evitadas.


Seja qual for o número de abusos sexuais em crianças que se vê nas estatísticas, seja quantos milhares forem, devemos ter em mente que, de fato, esse número pode ser bem maior. A maioria desses casos não é reportada, tendo em vista que as crianças têm medo de dizer a alguém o que se passou com elas. E o dano emocional e psicológico, em longo prazo, decorrente dessas experiências pode ser devastador.

O abuso sexual às crianças pode ocorrer na família, através do pai, do padrasto, do irmão ou outro parente qualquer. Outras vezes ocorre fora de casa, como por exemplo, na casa de um amigo da família, na casa da pessoa que toma conta da criança, na casa do vizinho, de um professor ou mesmo por um desconhecido.

Em tese, define-se Abuso Sexual como qualquer conduta sexual com uma criança levada a cabo por um adulto ou por outra criança mais velha. Isto pode significar, além da penetração vaginal ou anal na criança, também tocar seus genitais ou fazer com que a criança toque os genitais do adulto ou de outra criança mais velha, ou o contacto oral-genital ou, ainda, roçar os genitais do adulto com a criança.

Às vezes ocorrem outros tipos de abuso sexual que chamam menos atenção, como por exemplo, mostrar os genitais de um adulto a um criança, incitar a criança a ver revistas ou filmes pornográficos, ou utilizar a criança para elaborar material pornográfico ou obsceno.
A Criança Abusada

Devido ao fato da criança muito nova não ser preparada psicologicamente para o estímulo sexual, e mesmo que não possa saber da conotação ética e moral da atividade sexual, quase invariavelmente acaba desenvolvendo problemas emocionais depois da violência sexual, exatamente por não ter habilidade diante desse tipo de estimulação.

A criança de cinco anos ou pouco mais, mesmo conhecendo e apreciando a pessoa que o abusa, se sente profundamente conflitante entre a lealdade para com essa pessoa e a percepção de que essas atividades sexuais estão sendo terrivelmente más. Para aumentar ainda mais esse conflito, pode experimentar profunda sensação de solidão e abandono.

Quando os abusos sexuais ocorrem na família, a criança pode ter muito medo da ira do parente abusador, medo das possibilidades de vingança ou da vergonha dos outros membros da família ou, pior ainda, pode temer que a família se desintegre ao descobrir seu segredo.

A criança que é vítima de abuso sexual prolongado, usualmente desenvolve uma perda violenta da auto-estima, tem a sensação de que não vale nada e adquire uma representação anormal da sexualidade. A criança pode tornar-se muito retraída, perder a confiaça em todos adultos e pode até chegar a considerar o suicídio, principalmente quando existe a possibilidade da pessoa que abusa ameaçar de violência se a criança negar-se aos seus desejos.

Algumas crianças abusadas sexualmente podem ter dificuldades para estabelecer relações harmônicas com outras pessoas, podem se transformar em adultos que também abusam de outras crianças, podem se inclinar para a prostituição ou podem ter outros problemas sérios quando adultos.

Comumente as crianças abusadas estão aterrorizadas, confusas e muito temerosas de contar sobre o incidente. Com freqüência elas permanecem silenciosas por não desejarem prejudicar o abusador ou provocar uma desagregação familiar ou por receio de serem consideradas culpadas ou castigadas. Crianças maiores podem sentir-se envergonhadas com o incidente, principalmente se o abusador é alguém da família.

Mudanças bruscas no comportamento, apetite ou no sono pode ser um indício de que alguma coisa está acontecendo, principalmente se a criança se mostrar curiosamente isolada, muito perturbada quando deixada só ou quando o abusador estiver perto.

O comportamento das crianças abusadas sexualmente pode incluir:

1.Interesse excessivo ou evitação de natureza sexual;

2.Problemas com o sono ou pesadelos;

3.Depressão ou isolamento de seus amigos e da família;

4.Achar que têm o corpo sujo ou contaminado;

5.Ter medo de que haja algo de mal com seus genitais;

6.Negar-se a ir à escola,

7.Rebeldia e Delinqüência;

8.Agressividade excessiva;

9.Comportamento suicida;

10. Terror e medo de algumas pessoas ou alguns lugares;

11. Retirar-se ou não querer participar de esportes;

12. Respostas ilógicas (para-respostas) quando perguntamos sobre alguma ferida em seus genitais;

13. Temor irracional diante do exame físico;

14. Mudanças súbitas de conduta.

Algumas vezes, entretanto, crianças ou adolescentes portadores de Transtorno de Conduta severo fantasiam e criam falsas informações em relação ao abuso sexual.

Quem é o Agressor Sexual

Mais comumente quem abusa sexualmente de crianças são pessoas que a criança conhece e que, de alguma forma, podem controla-la. De cada 10 casos registrados, em 8 o abusador é conhecido da vítima. Esta pessoa, em geral, é alguma figura de quem a criança gosta e em quem confia. Por isso, quase sempre acaba convencendo a criança a participar desses tipos de atos por meio de persuasão, recompensas ou ameaças.

Mas, quando o perigo não está dentro de casa, nem na casa do amiguinho, ele pode rondar a creche, o transporte escolar, as aulas de natação do clube, o consultório do pediatra de confiança e, quase impossível acreditar, pode estar nas aulas de catecismos da paróquia. Portanto, o mais sensato será acreditar que não há lugar absolutamente seguro contra o abuso sexual infantil.

Segundo a Dra. Miriam Tetelbom, o incesto pode ocorrer em até 10% das famílias. Os adultos conhecidos e familiares próximos, como por exemplo o pai, padrasto ou irmão mais velho são os agressores sexuais mais freqüentes e mais desafiadores. Embora a maioria dos abusadores seja do sexo masculino, as mulheres também abusam sexualmente de crianças e adolescentes.

Esses casos começam lentamente através de sedução sutil, passando a prática de "carinhos" que raramente deixam lesões físicas. É nesse ponto que a criança se pergunta como alguém em quem ela confia, de quem ela gosta, que cuida e se preocupa com ela, pode ter atitudes tão desagradáveis.

A Família da Criança Abusada Sexualmente

A primeira reação da família diante da notícia de abuso sexual pode ser de incredulidade. Como pode ser comum crianças inventarem histórias, de fato elas podem informar relações sexuais imaginárias com adultos, mas isso não é a regra. De modo geral, mesmo que o suposto abusador seja alguém em quem se vinha confiando, em tese a denúncia da criança deve ser considerada.

Em geral, aqueles que abusam sexualmente de crianças podem fazer com que suas vítimas fiquem extremamente amedrontadas de revelar suas ações, incutindo nelas uma série de pensamentos torturantes, tais como a culpa, o medo de ser recriminada, de ser punida, etc. Por isso, se a criança diz ter sido molestada sexualmente, os pais devem fazê-la sentir que o que passou não foi sua culpa, devem buscar ajuda médica e levar a criança para um exame com o psiquiatra.

Os psiquiatras da infância e adolescência podem ajudar crianças abusadas a recuperar sua auto-estima, a lidar melhor com seus eventuais sentimentos de culpa sobre o abuso e a começar o processo de superação do trauma. O abuso sexual em crianças é um fato real em nossa sociedade e é mais comum do que muita gente pensa. Alguns trabalhos afirmam que pelo menos uma a cada cinco mulheres adultas e um a cada 10 homens adultos se lembra de abusos sexuais durante a infância.

O tratamento adequado pode reduzir o risco da criança desenvolver sérios problemas no futuro, mas a prevenção ainda continua sendo a melhor atitude. Algumas medidas preventivas que os pais podem tomar, fazendo com que essas regras de conduta soem tão naturais quanto as orientações para atravessar uma rua, afastar-se de animais ferozes, evitar acidentes, etc. Se considerar que a criança ainda não tem idade para compreender com adequação a questão sexual, simplesmente explique que algumas pessoas podem tentar tocar as partes íntimas (apelidadas carinhosamente de acordo com cada família), de forma que se sintam incomodadas.

1.Dizer às crianças que "se alguém tentar tocar-lhes o corpo e fazer coisas que a façam sentir desconfortável, afaste-se da pessoa e conte em seguida o que aconteceu."

2.Ensinar às crianças que o respeito aos maiores não quer dizer que têm que obedecer cegamente aos adultos e às figuras de autoridade. Por exemplo, dizer que não têm que fazer tudo o que os professores, médicos ou outros cuidadores mandarem fazer, enfatizando a rejeição daquilo que não as façam sentir-se bem.

3.Ensinar a criança a não aceitar dinheiro ou favores de estranhos.

4.Advertir as crianças para nunca aceitarem convites de quem não conhecem.

5.A atenta supervisão da criança é a melhor proteção contra o abuso sexual pois, muito possivelmente, ela não separa as situações de perigo à sua segurança sexual.

6.Na grande maioria dos casos os agressores são pessoas conhecem bem a criança e a família, podem ser pessoas às quais as crianças foram confiadas.

7.Embora seja difícil proteger as crianças do abuso sexual de membros da família ou amigos íntimos, a vigilância das muitas situações potencialmente perigosas é uma atitude fundamental.

8.Estar sempre ciente de onde está a criança e o que está fazendo.

9.Pedir a outros adultos responsáveis que ajudem a vigiar as crianças quando os pais não puderem cuidar disso intensivamente.

10.Se não for possível uma supervisão intensiva de adultos, pedir às crianças que fiquem o maior tempo possível junto de outras crianças, explicando as vantagens do companheirismo.

11.Conhecer os amigos das crianças, especialmente aqueles que são mais velhos que a criança.

12.Ensinar a criança a zelar de sua própria segurança.

13.Orientar sempre as crianças sobre opções do que fazer caso percebam más intenções de pessoas pouco conhecidas ou mesmo íntimas.

14.Orientar sempre as crianças para buscarem ajuda com outro adulto quando se sentirem incomodadas.

15.Explicar as opções de chamar atenção sem se envergonhar, gritar e correr em situações de perigo.

16.Orientar as crianças que elas não devem estar sempre de acordo com iniciativas para manter contacto físico estreito e desconfortável, mesmo que sejam por parte de parentes próximos e amigos.

17.Valorizar positivamente as partes íntimas do corpo da criança, de forma que o contacto nessas partes chame sua atenção para o fato de algo incomum e estranho estar acontecendo.


"E CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ "( João 8.32)


A VERDADE ESTÁ NA PALAVRA DE DEUS, ESTÁ EM LIVROS, ESTUDOS, EM FALAR COM OUTRAS PESSOAS QUE JA PASSARAM POR ISSO, EM BUSCAR AJUDA...


NÃO SE CALEM, DIANTE DE UMA SITUAÇÃO COMO ESTA, NÃO DEIXE SEU FILHO(A) SOFRENDO POR TER VERGONHA DE EXPOR PARA ALGUEM UM LADO SUJO QUE PRECISA SER TRATADO.


SÓ DEUS PODE TRANSFORMAR MALDIÇÃO EM BENÇÃO, SÓ DEUS PODE CURAR AS FERIDAS EMOCIONAIS DE UMA CRIANÇA ABUSADA E SÓ ELE É A SUA JUSTIÇA.

38 comentários:

  1. É verdade que em minha família sempre recebemos orientação e cuidados com respeito a isso, fato que não evitou que eu sofresse abuso por parte de um familiar onde às vezes eu ficava quando meus pais saíam para trabalhar. Mas eu então ~tinha tão pouca idade, que os episódios, penso, ficaram bloqueados. Depois de muitos anos (já na fase adulta) fui me lembrar do que aconteceu, e pude entender a raiva e o 'nojo' que tinha por aqueles familiares, ao poto de não conseguir me aproximar deles. Durante muito tempo, achava que o problema era comigo, e como relatado por você, depois que descobri o que aconteceu (já que a memória ficou 'suprimida') nunca tive coragem de dizer à minha família sobre aquilo.

    Diante do que vivi, concordo que devemos estar atentos e zelar pela vida e pela inocência da criança, tão preciosa.

    Deus continue te abençoando e prosperando seu ministério, de modo que o maior número de pessoas e famílias possam aprender e ser transformadas, em nome de Jesus!

    ResponderExcluir
  2. snif,fui abusado com 6 anos, com nove ja havia abusado pelo menos de outros 3 garotos, fiquei grande parte de minha vida confuso, gostava de namorar meninas, mas quando pensava em sexo, eram só meninos que me vinha a mente, dias terriveis.
    um dia te conheci, e vc me deu carinho, atenção, e senti que podia confiar, contei tudo que estva passando e vc me levou p a EF, lá fui liberto dos demônios, mas foi sua compaixão que me fez sair de vez dessa neurose.
    hoje to casado e tenho um filho de 2 anos, instruo en tudo que posso, mas o que mais fazemos é orar.
    Lendo seu artigo vi coisas que ainda preciso mudar, mas essa é a primeira oportunidade que tenho de agradecer por tdo carinho e dedicação, foi uma mãe pra mim, e vejo dia a dia sendo reconhecida por Deus. obrigado é poco pra agradecer, mas é o que tenho pra falar, nós 3 te amamos.

    ResponderExcluir
  3. Muito boa explicação Pastora, o mundo precisa saber o que esta acontecendo com nossas crianças dentro da igreja.

    ResponderExcluir
  4. Tenho 26 anos e fui abusado dentro de uma igeja,quando tinha uns seis ou sete anos de idade, e é a primeira vez que me identifico tanto com algum assunto, pensei que estava tudo esquecido dentro de mim, mas quando vi no face, senti um calafriu e uma dor tão forte, que nada mais fazia sentido. Nunca contei isso pra ninguem, mas sinto que preciso de ajuda. Como faço pra falar com a senhora?

    ResponderExcluir
  5. Cintia Roselvalt23 de maio de 2011 20:03

    Sou profesora e peço autorização para publicar seu artigo no jornal da escola, acho que seria bom abrir mais a visão dos pais.

    ResponderExcluir
  6. Você que disse estar precisando falar comigo, entre em contato pelo e-mail: jo_z_sanches@hotmail.com

    Cintia, fique a vontade para publicar, nosso objetivo é relamente instruir as famílias.

    ResponderExcluir
  7. Bom dia filha, mais uma vez investindo no Reino. Não preciso nem dizer o tanto que me agrado em ver este blog. Um dia ainda vou te conhecer, no céu sei que Deus ja preparou esse momento, nem que seja na glória.Mais uma vez vamos usar esse material para instrução dos pais em nossa igreja.

    ResponderExcluir
  8. fui abusada com 4 anos de idade quando meus pais morreram hj tenho 12 e quero ajuda pf oq faço?

    ResponderExcluir
  9. Você que disse ter 12 anos entre em contato comigo pelo e-mail, por lá eu passo o meu telefone e entraremos em contato. Lembre-se Jesus te ama e quer o melhor pra você, e todas as feridas emocionais podem ser curadas por Ele.

    jo_z_sanches@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. tenho 10 ano e fui abusada com 6 pelo meu padrasto, precizo muito de ajuda,num durmo,choru muitom tenh medo di iscuro di tudo, sou sa sua igreja, mais num sei como qui chego em voce sem ele percebe tenhu medo

    ResponderExcluir
  11. Eu fui abusado dos 5 aos 12 anos, hoje sou homosexual não quero isso pra mim, mas todas as vezes que me relaciono com uma mulher lembro dos abusos e acabo voltando pros relacionamentos com homens Se uma criança é abusada precisa ser amada e não ser acusado como eu fui

    ResponderExcluir
  12. Você que disse ter medo de se aproximar de mim, e ser vista pelo seu padastro...
    Todo domingo estamos no auditório 1 até 17:45h e depois fico no culto, se precisar pode pedir pra alguem me chamar e nos encontramos nem que for no banheiro.

    ResponderExcluir
  13. fui estuprado num acampamento de férias e não contei pr ninguem,mas não consigo mais i na igreja,esse ano num tirei umanota mais alta que 5 e cheguei até apanha do meu pai pra eu volta se eu ti procura num conta nada pra eles?

    ResponderExcluir
  14. Fique tranquilo que juntos encontraremos a melhor saida para te ajudar.

    ResponderExcluir
  15. tambem fui abusada, mais o tempo passo e eu esqueci, hoji vivo uma vida normal

    ResponderExcluir
  16. Jô mais uma vez DEUS esta te usando e sei que o favor dele esta com você, nem que fosse um que se libertar desse mal, mas sei que vai ser muitos pois é mais uma semente que DEUS colocou em suas mãos e que já vejo frutos.
    Entrei, vou orar.

    ResponderExcluir
  17. Jô, cada vez que entro no seu blog, me surpreendo mais com os assuntos que publica. Abuso sexual ja é um tema difícil, infantil então nem se fala, fico imaginando o tanto de resistência que deve sofrer trazendo tudo isso as claras.Não sei como é na igreja que congrega, mas espero que tenha uma boa cobertura espiritual para realizar este trabalho. Acho que se lembra do que aprendemos no seminário do Daniel, o inferno inteiro deve te odiar, por isso precisa da cobertura de seus líderes, oração de seus liderados e apoio dos membros porque a unção de Deus ja esta sobre você.
    Se estiver sendo dificil, se algumas vezes se sentir sozinha, se algum dia ouvir que quem trabalha com crianças não tem valor ou até mesmo se disserem que com a capacidade que tem deveria estar fazendo algo maior, lembre-se que o Senhor disse que dos pequeninos é o Reino de Deus.
    Em todos os artigos que publica sempre vejo você falando de crianças, mas por traz delas tem sempre uma família. Continue forte no Senhor e seja abençoada em Cristo.

    ResponderExcluir
  18. Um pastor passou a mão no meu seio, num sei se isso é abuso, mas estou me sentindo muito mal, tenho 15 anos e isso aconteceu a uns dois anos e todas as vezes que um garoto se aproxima de mim eu lembro do que aconteceu.Acha que preciso passar por uma libertação espiritual?

    ResponderExcluir
  19. Pastora Jô,cada vez mais é claro a necessidade do nosso ministerio de libertação infantil, nossas crianças precisam serem amadas, e atendidas porque o inimigo investe pesado nelas, é dos pequeninos o Reino de Deus. Que o Senhor continue te abençoando e ao ministerio.E quero postar aqui o quanto Deus é maravilhoso por ter me abençoado de ser sua liderada.Cris.

    ResponderExcluir
  20. GLÓRIA A DEUS PELA SUA VIDA, CONTINUE SENDO ESTA GUERREIRA, MULHER DE DEUS E COMO VOCÊ MESMA DIZ "TEIMOSA", NUNCA DESISTA DOS SEUS SONHOS PORQUE O MELHOR DE DEUS AINDA ESTA POR VIR, PERSEVERE EM CUIDAR DAS FAMÍLIAS, DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES ALGUÉM PRECISA INVESTIR NA RESTAURAÇÃO DOS MUROS E NA ABERTURA DE POÇOS E DEUS ESCOLHEU VOCÊ. BJOS!

    ResponderExcluir
  21. Sou de SC e fui abusada ha pouco mais de um ano, a sensação é terrivel, não tem como explicar, só superei porque tive muito apoio de minha congregação e dos pastores, de tudo que disse a mais importante é que a pessoa precisa entender que a culpa não é dela, porque por vários meses eu me questionava que eu fiz para despertar esses olhares pra mim, eu me sentia uma vadia, e cheguei a ouvir que eu deveria ter dado bola para o sujeito fazer aquilo comigo, hoje eu entendo que o diabo faz de tudo pra nos envergonar e nos afastar das bençãos de Deus, ainda luto com tudo isso, mas estou melhorando a cada dia.
    Continue investindo nas crianças, porque se pra mim foi difícil e ainda esta sendo imagina pra quem não sabe nem se pode contar ou se tem guardar segredo pra vida toda.

    ResponderExcluir
  22. Criança é tão frágil como podem pensar em fazer isso com elas, mas monstruoso ainda é pensar que um pai consiga fazer isso, temos que rezar muito pra essas almas perdidas

    ResponderExcluir
  23. meu filho foi tocado em suas partes intimas na escola, e não quer mais ir ja levei ao psicologo, procurei ajuda da escola, mas nada adianta, agora ele diz que ve uma pessoa falando com ele durante a noite e que essa pessoa ri e diz que a culpa é dele, quando entramos no quarto não vemos nada, semana passada ele disse que a pessoa mandou ele morrer. não sei mais o que fazer. meu marido é completamente descrente, mas eu estou agora buscando uma igreja evangelica, li a parte de abuso e tambem de libertação e ntendi muita coisa, vou indicar o seu blog e pedir ajuda da minha pastora.

    ResponderExcluir
  24. Agradeço a Deus pela sua vida, pela ousadia com a qual Ele te fez.
    Está na hora de nós deixarmos de fazer vistas grossas e pensar que estas coisas não acontecem em nossas casas, em nossas igrejas, e começar a cuidar daqueles que estão sofrendo, para que eles sejam restaurados.

    Que Deus continue te usando para transformar tantas vidas e restaurar tantos corações!

    ResponderExcluir
  25. Paulo Sergio Santana29 de maio de 2011 21:27

    Só quem passa conhece a dor, parabens pela coragem de divulgar assuntos tão atuais

    ResponderExcluir
  26. Fui estrupado com 6 anos e hoje sou portador do vírus da hepatite B, ainda tenho feridas na alma, mas com a ajuda de Deus estou liberto.

    ResponderExcluir
  27. É MUITO RUIM VER TUDO ISSO, É MUITO RUIM SABER QUE TUDO ISSO ACONTECE, MEU DEUS CUIDA DOS PEQUENINOS E ARRANCA DO NOSSO CORAÇÃO O CONFORMISMO.

    ResponderExcluir
  28. cada coisa horrivel que testemunharam, precisamos rezar por essas crianças e por cada abusador que é instrumento do mal

    ResponderExcluir
  29. Eu odeio você, porque sempre coloca coisas pra machuca a gente? o meu passado ja tinha sido esquecido, nem sei porque fui abrir isso doi demais
    eu tinha un s 5 anos quando meu professor pediu para me ver semroupa chei normal porque era aula de nataão, mais logo senti dor, e nojo de mim, isso aconteceu muitas vezes até que num sintia mais dor nem no corpo nem na alma, passado os anos esqueci, fiz faculdade, tenho emprego, só não tenho namorada, num consigo ter paciencia com elas então abro essa porcaria de blog e vejo essa coisa
    eu tnha que ler até o fim, pra que? pra lembra que so sujo? que nunca consegui ser feliz? que é a primera vez que eu falo sobre isso? pra que? porque? dor,dor,e mais dor, nun ca espere que eu te procure, o que ta escondido, escondido vai ficar.

    ResponderExcluir
  30. Amado tudo que falou só serviu para mostrar o quanto esta ferido com todo abuso que sofreu, não adianta dizer que odeia a irmã, porque este ódio esta dentro de você, se não fosse ela seria outra pessoa.
    Procure ajuda, médica, psicólógica, espiritual, liberte-se desta prisão que tem sido sua vida.
    Assuma que tem um problema e busque ser feliz

    ResponderExcluir
  31. MEU NOME É JULIANA E PEÇO QUE OREM POR MIM E PELA MINHA FAMÍLA, MINHA FILHINHA DE 2 ANOS FOI ABUSADA, ELA ESTA BEM, MAS NÓS ESTAMOS COM MUITOS PROBLEMAS EMOCIONAIS.

    ResponderExcluir
  32. Gostei do blog, e tamem do assunto,é ruim demais pensar num marmanjo pegando uma criancinha, da vontade de da uns tapa, mais qd pensamos que devemos agir segundo o coração de Deus, temos que lembrar do madamento do perdão pro crapulola e do mandamento do amor pra criança ou pra quem foi abusada.

    ResponderExcluir
  33. É dificil ser crente nessas horas, eu tambem ja fui abusado, mas estou bem resolvido, só consegui me libertar quando perdoei o meu agressor, quando entendi que por traz disso esta um demonio que se alimenta do sangue derramado das crinças, quando entendi isso consegui prosseguir minha vida,mas mesmo assim a gente fica muito indignado com essas coisas.

    ResponderExcluir
  34. Filha, estamos apresentando esse material na classe de pais,e pra Glória da Deus tem aberto a visão dos mesmo.Os servos do Senhor precisam estarem cientes do que esta acontecendo em nossa sociedade. Pedi inclusive que eles dessem uma olhadinha nos testemunhos, são muito fortes mas também ajuda a abrir os nossos olhos. Obrigado por sua dedicação na vida das famílias, que o Senhor continue derramando as bençãos sem medidas sobre a sua vida e dos seus.

    ResponderExcluir
  35. oi..fui abusada várias vezes por 5 homens em quase toda minha infância... moro muito longe de vc.. minha vida está totalmente destruida..estou muito oprimida.. me ajudaaa!!!

    ResponderExcluir
  36. Olá, se quiser conversar entre no meu msn ou podemos trocar e-mail
    jo_z_sanches@hotmail.com

    ResponderExcluir
  37. CONHEÇO UM AMIGA MINHA Q TINHA UM PAI COM UMA FILHA DE 6 ANSO Q FEZ ABUSO SEXUAL COM ELA AOS 6 ANOS MEU DEUS

    ResponderExcluir
  38. criança de 13 anos tb e adolescentes de 14 ja vi fazendo isso

    ResponderExcluir