sexta-feira, 14 de outubro de 2011

TRANSTORNO DE CONDUTA - ANSIEDADE NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

A libertação infantil vai muito além de orar pela criança e adolescente e mandar o demônio embora como algumas pessoas pensam. É preciso ter conhecimento sobre o comportamento da criança e fazer um vasto diagnóstico da situação para descobrirmos a causa de alguns comportamentos. A psicologia chama de transtorno de conduta e analisa a ansiedade apresentada pela criança, e busca a cura através de diálogos e auto descobrimento.

Eis aqui alguns comportamentos que observamos em crianças e adolescentes quando os recebemos na sala de atendimento pastoral:

Muitas vezes nos deparamos com comportamentos infantis que não sabemos como lidar ou diagnosticar, mas é muito importante salientar que algumas atitudes são mais que simples "falta de educação", ou "frescura".

Algumas crianças, precisam de acompanhamento clínico e psicológico além do espiritual.

Os critérios de diagnósticos mais completos para Transtorno de Ansiedade de Separação são principalmente os seguintes:

1 - sofrimento excessivo e recorrente frente à ocorrência ou previsão de afastamento de casa ou de figuras importantes de vinculação

2 - preocupação persistente e excessiva acerca de perder, ou sobre possíveis perigos envolvendo figuras importantes de vinculação

3 - preocupação persistente e excessiva de que um evento indesejado leve à separação de uma figura importante de vinculação (por ex., perder-se ou ser seqüestrado)

4 - relutância persistente ou recusa a ir para a escola ou a qualquer outro lugar, em razão do medo da separação

5 - temor excessivo e persistente ou relutância em ficar sozinho ou sem as figuras importantes de vinculação em casa ou sem adultos significativos em outros contextos

6 - relutância ou recusa persistente a ir dormir sem estar próximo a uma figura importante de vinculação ou a pernoitar longe de casa

7 - pesadelos repetidos envolvendo o tema da separação

8 - repetidas queixas de sintomas somáticos (tais como cefaléias, dores abdominais, náusea ou vômitos) quando a separação de figuras importantes de vinculação ocorre ou é prevista

Outras Ansiedades na Infância e Adolescência

O Transtorno de Separação na Infância faz parte do grupo dos Transtornos Ansiosos, portanto, ela não é a única forma de apresentação da ansiedade em crianças e adolescentes. Outro quadro muito comum é a própria Ansiedade Generalizada.

A ansiedade é um sentimento vago e desagradável de medo e apreensão, caracterizado por tensão, estado de alerta contínuo, desconforto global e expectativa de algum perigos. As crianças podem não ter uma crítica acurada sobre a possibilidade de seus medos serem exagerados ou irracionais, mas, não obstante, sentem a ansiedade em toda sua plenitude. Via de regra a ansiedade pode ocorrer em varias condições psiquiátricas, tais como nas depressões, psicoses, transtorno hiperativo, etc. A causa dos transtornos ansiosos infantis é muitas vezes desconhecida e provavelmente multifatorial, incluindo fatores hereditários e ambientais.

A Ansiedade Generalizada tende a se manifestar em idade mais alta do que o Transtorno de Separação. Embora o Transtorno de Separação possa vir acompanhado de sintomas físicos, como vimos acima, as crianças de mais idade e adolescentes com Ansiedade Generalizada apresentam significativamente mais sintomas do que as crianças mais novas e exibem excessiva preocupação sobre muitos aspectos diferentes de suas vidas, normalmente sobre temas de preocupação mais apropriados aos adultos.

As crianças e adolescentes com Ansiedade Generalizada podem preocupar-se excessivamente com temas inadequados para a idade, como por exemplo, com sua própria competência, com o que vestirão no dia seguinte, como se sairão numa prova ou qual a área que escolherão na universidade. Os pacientes que se preocupam exageradamente com a própria competência costumam ter um marcante traço perfeccionista, mostram um desejo exagerado de sobressair na escola, nos esportes, nas relações sociais e na aparência física.

Talvez em decorrência destas características estas crianças costumam mostrar um grau acentuado (incomum para a idade) de autoconscientização. São comuns as queixas somáticas, inclusive cefaléias, desconforto gastrintestinal e tensão muscular, chegando, esses sintomas juntamente com a própria ansiedade, a produzir sofrimento significativo e comprometimento de suas funções cotidianas.

Outro quadro extremamente comum entre as crianças e adolescentes é o Transtorno Fóbico Ansioso da infância. Trata-se, também, de um quadro relacionado às ansiedades e caracterizado pela presença de medos anormais diante de situações ou objetos específicos. Para ser considerado uma Fobia, o medo deve ser anormal e acompanhado de sintomas físicos.

Quando exposta ao estímulo fóbico, seja uma situação ou objeto (animal, etc) a criança ou adolescente sente-se mal, com vários sintomas físicos, chamados sintomas autossômicos, tais como sudorese, palpitações, tontura, sensação de desmaio, falta de ar, etc. Normalmente, tal como nos adultos com esse transtorno fóbico, as crianças e adolescentes evitam as situações e objetos que lhes causam fobia. À isso chamamos de comportamento evitativo.

Além das fobias à pequenos animais, injeções, escuridão, altura e ruídos intensos, as crianças de mais idade e os adolescentes apresentam um medo fóbico persistente e intenso de situações onde se julgam estar expostos à avaliação de outros, tendendo a se sentirem envergonhados ou humilhados. Normalmente essas situações fóbicas são de falar em sala de aula, de comer junto a outras crianças, de ir a festas, escrever na frente de outros colegas e até usar banheiros públicos. Quando é assim o quadro passa a se chamar Fobia Social.

O Distúrbio de Ansiedade Social da Infância, caracterizado pela presença de retraimento com relação a estranhos e temor ou medo relacionado com situações novas, ou inquietantes. Mas, diferenciando da Fobia Social, recomenda-se que esta categoria de diagnóstico só deve ser usada quando tais temores aparecem na primeira infância, são excessivos e se acompanham de uma perturbação do funcionamento social.

Adaptação do texto de Ballone GJ, Transtorno de ansiedade de Separação na Infância.

Em tudo que acabamos de analisar podemos afirmar que a criança e o adolescente necessita de acompanhamento espiritual, assim como o psicológico. Orações e muito amor.

7 comentários:

  1. Quando eu comecei no ministerio infantil achei que era só contar historias hoje percebo que não, porque cada criança tem um comportamento e a gente fica achando que é tudo falta de educação, MEU DEUS ME AJUDE,vou ter que orar e jejuar muito mais.

    ResponderExcluir
  2. a coisa é mais séria do que tem gente pensando por ai, trabalhar com adolescentes e crianças vai muito longe de 'cuidar",

    ResponderExcluir
  3. Marcia Lucia Campos15 de outubro de 2011 13:50

    Tenho um filho de 12 anos ja passei com ele em vários psicologos e não encontrou-se nenhuma solução, ha 6 meses encontramos a cura associando medicamentos e batalha espiritual,continue postando esses artigos no face, se eu tivesse visto antes não teria sofrido por 12 anos

    ResponderExcluir
  4. Pastora, isso pode ser carregado para a vida adulta? De que forma?

    Agradeço pelas postagens e por todos os ensinamentos. Que Deus continue te abençoando e a seu ministério, em nome de Jesus!

    ResponderExcluir
  5. Ana Lucia Percebon de Santos16 de outubro de 2011 07:35

    Pastora Josiane eu tive isso na infancia e sofri muito chegava a ficar de cama, a escola encaminhou para um psicologo mas nada adiantava, só quando eu estava com 25 anos que eu conheci Jesus e ele me encaminhou com a senhora (e como foi dificil vencer a distancia) a senhora me ministrou sobre os meus traumas de infancia e fui totalmente curada. Agradeço primeiramente a Deus e depois a senhora.Te amo.

    ResponderExcluir
  6. Tenho uma filha que esta apresentando os mesmo sinais, ficou assim desde que meu marido foi embora, preciso de ajuda, estou mandando meu emeil em outra mensagem não publica por favor.

    ResponderExcluir
  7. Pastora estou com saudade, porque não te vejo mais? Eu sofri disso muito tempo, e depois que passei por cura com a senhora estou curada, e minha filha não vê mais os vultos que via. continue sendo benção na vida de todos que estão a sua volta, mas me avisa onde esta porque eu quero mais um pouco desta benção também. -hehehe

    ResponderExcluir